Mio-inositol e Selênio Reduzem o Risco de Desenvolvimento de Hipotireoidismo

por INSTITUTO HI-NUTRITION / 10 Janeiro 2018 / Estudo Científico

Introdução


Mio-inositol e fosfatidilinositol (is) desempenham uma função importante em muitas vias metabólicas, que, quando danificadas, exercem efeitos negativos em seres humanos. O mio-inositol (um isómero de um álcool de açúcar C6) é o precursor da síntese de fosfoinositídeos, que estão envolvidos na via de transdução de sinal do fosfatidilinositol (PtdIns) e tem um papel determinante em diferentes processos celulares. Por exemplo, o mio-inositol-PtdIns é responsável pela transdução de sinal através da membrana plasmática, através do segundo mensageiro (inositol 1,4,5-triphosphate) que está envolvido na liberação intracelular de Ca2 +, e é um sítio de encaixe para muitos proteínas de transdução de sinal.

Várias pesquisas experimentais e ensaios clínicos mostraram que o mio-inositol e o fosfatidilinositol (is) estão envolvidos em condições fisiológicas e patológicas da glândula tireoidiana. O fosfatidilinositol é importante na sinalização intracelular associada à sinalização do hormônio estimulador da tireoide (TSH) nas células da tireoide. A sinalização intracelular de TSH envolve dois sinais diferentes: a) de um lado, a cascata de sinal envolve o segundo mensageiro do AMP cíclico (cAMP), que está envolvido na secreção de T4, T3 e no crescimento e diferenciação de células; b) o outro é inositol dependente, que regula o iodação mediada por H2O2. Demonstrou-se que baixas concentrações de TSH podem estimular a cascata de sinalização de cAMP, enquanto que apenas concentrações de TSH 100 vezes maiores podem estimular a via mediada por inositol.

O fosfatidilinositol está envolvido na autoimunidade da tireoide. Além disso, o fosfatidilinositol é influenciado pelos distúrbios em função de alguns receptores, como os receptores de TSH (TSHR), a insulina ou o fator de crescimento semelhante a insulina-1 (IGF-1R), e está relacionado com a associação entre o hipotireoidismo, e TSH sérico alto, de um lado, e resistência à insulina (IR), do outro lado. Foram demonstradas disfunções de fosfatidilinositol na síndrome metabólica [diabetes, síndrome dos ovários policísticos (PCOS)], IR, autoimunidade e alguns tipos de câncer.

Foi demonstrado que iodo e selênio têm um papel importante na autoimunidade tireoidiana. Em regiões com deficiência grave de selênio, há uma prevalência aumentada de tireoidite autoimune (AT). Este efeito é devido a uma diminuição da atividade da atividade da glutationa peroxidase dependente do selênio dentro das células tireoidianas. Além disso, as enzimas dependentes do selênio também são importantes na regulação do sistema imunológico. Vários estudos demonstraram que mesmo a deficiência de selênio leve pode contribuir para o desenvolvimento e manutenção de doenças da tireóide autoimune (AITD).


Objetivo do Estudo


Este estudo teve como objetivo avaliar os efeitos da suplementação de mio-inositol e selênio em pacientes com tireoidite autoimune. Neste estudo clínico, 21 pacientes com tireoidite autoimune receberem por seis meses mio-inositol+selênio.

 

Resultados


  • Após o tratamento, os níveis do hormônio folículo estimulante (TSH) declinaram de maneira significativa quando comparado com os níveis basais;

  • O uso combinado das duas substâncias reduz o risco de se desenvolver hipotireoidismo em pacientes com doença autoimune na tireoide.


Conclusão


Este foi o primeiro estudo a demonstrar os efeitos imunomodulatórios do mio-inositol e selênio em pacientes com tireoidite autoimune.

 

Referências

Ferrari SM1, Fallahi P, Di Bari F, Vita R, Benvenga S, Antonelli A. Myo-inositol and selenium reduce the risk of developing overt hypothyroidism in patients with autoimmune thyroiditis. Eur Rev Med Pharmacol Sci. 2017 Jun;21(2 Suppl):36-42.

Receba este e outros estudos direto no seu e-mail.
Preencha o Formulário e Fique Sempre Atualizado!

TOP